Page 48

EH Abril - Maio 2013

ecri Os 10 maiores riscos da tecnologia para o ano 2012 ocupadas (Departamento de Saúde Pública de Massachusetts, 2010). As lesões por objetos perfurocortantes incluem aquelas sofridas (e infligidas a outros) pelo pessoal de saúde ao tentar ativar os dispositivos para a prevenção de espetadas com agulhas. Um artigo recente publicado em “Controle de Infecções e Epidemiologia Hospitalar (Infection Control & Hospital Epidemiology) concluiu que os dispositivos de segurança de desenho passivo foram significativamente mais efetivos que os que são ativados manualmente. Durante este estudo, mais da quarta parte de todas as lesões por espetadas com agulhas foram devido à falta de ativação ou a ativação incompleta do dispositivo e poderiam ter sido evitadas (Tosini et al. 2010). Pior ainda, os clínicos e o pessoal de limpeza seguem tendo problemas quando utilizam ou manipulam recipientes para descartar objetos perfurocortantes. A maioria dos hospitais têm programas permanentes para abordar a segurança dos objetos perfurocortantes. Mas estes programas podem ter sido estabelecidos há algum tempo e é possível que já não estejam recebendo atenção adequada nem alcançando o seu nível esperado de efetividade. A continuidade das lesões é sinal de que resulta necessário prestar mais atenção; é possível que os clínicos estejam utilizando técnicas inadequadas, que os dispositivos de segurança em uso precisem ser substituídos por modelos mais efetivos, ou que existam deficiências no programa de segurança de objetos perfurocortantes da instituição. Um programa eficaz de segurança de objetos perfurocortantes incluirá a contribuição das diferentes partes interessadas. Por conseguinte, o típico comitê de segurança de objetos perfurocortantes incluirá pessoal de gestão de riscos, manejo de materiais, enfermaria, laboratório clínico e farmácia, assim como do comitê de segurança do paciente, trabalhadores da saúde de primeira linha (nos Estados Unidos, a Administração de Segurança e Saúde Ocupacional OSHA, por sua sigla em inglês, Occupational Safety and Health Administration exige envolvê-los), e o pessoal de limpeza. Uma nova campanha denominada “Stop Sticks,” (Pare as Espetadas) lançada em 2011 pelo Instituto Nacional para a Segurança e a Saúde Ocupacional (NIOSH, por sua sigla em inglês, National Institute for Occupational Safety and Health), foi concebida para criar consciência sobre a segurança de objetos perfurocortantes e preparar e motivar os trabalhadores da saúde —principalmente o pessoal da sala de cirurgia e do departamento de emergências— para que façam as mudanças necessárias para reduzir as lesões por objetos perfurocortantes. Mais informação disponível on-line (veja “CDC/NIOSH Stop Sticks Campaign” nas Fontes Bibliográficas). Recomendações Para conseguir um sucesso consistente na prevenção de espetadas com agulhas e outras lesões por objetos perfurocortantes, as instituições devem revisar e refinar anualmente todos os componentes das suas iniciativas para a segurança de objetos perfurocortantes. Recomendamos que o comitê de segurança para objetos perfurocortantes realize as seguintes atividades:  Avalie as lesões e as práticas atuais — A análise da informação sobre as espetadas com agulhas e outras lesões por objetos perfurocortantes que acontecem na sua instituição, é essencial para o desenho ou para a avaliação de um programa. Essa análise pode ajudar a identificar onde e quando (p. ex., durante quais procedimentos ou aplicações) ocorrem tipicamente essas lesões. Por exemplo, se o seu hospital já conta com dispositivos de segurança para objetos perfurocortantes, os dados históricos e atuais são de utilidade para decidir se um determinado dispositivo de segurança deve ser substituído por um novo.  Defina objetivos específicos — Os dados coletados sobre lesões, dispositivos e práticas atuais ajudarão a definir ou refinar os objetivos do seu programa e a priorizar os seus esforços.  Estabeleça um plano de ação — Dentro de cada plano de ação, cada categoria de lesão que for identificada deve ter algum plano de correção ou uma ação específica recomendada. O plano também deve especificar quem é responsável pela implementação de determinados componentes do programa, quando devem completar as etapas específicas e quais resultados espera obter a instituição.  Implemente o programa — Alguns dos aspectos mais desafiantes incluem: — Garantir que todo o pessoal de todos os plantões esteja capacitado. — Obter apoio do fornecedor para a capacitação no lugar de trabalho sobre o uso dos dispositivos de proteção que vão ser implementados. — Garantir que os implementos estejam facilmente disponíveis e retire os objetos perfurocortantes que vão ser substituídos por dispositivos de proteção.  Avalie a efetividade do programa anualmente, utilizando como guia as recomendações anteriores. ■ Fontes Bibliográficas Health Devices: “Needlestick-Prevention Devices: Disposable Syringes and Injection Needles” (Evaluation, 2007 Aug). “Sharps Disposal Containers” (Evaluation, 2003 Jul); many of the containers rated in this Evaluation are still on the market, and the technology guidance is still valid. “Still Getting Stuck—Protective Devices Alone Won’t Always Prevent Needlestick Injuries” (Hazard Report, 2009 Sep). Health Devices Alerts: “Cardinal Health/Bard—Huber Plus Non-coring Needle Safety Infusion Sets: Needle Tip May Protrude from Safety Sheath, Creating Potential for Needlestick Injury” (Accession No. A13426, 2010 Feb 3). Apresentação em Power Point de Health Devices: “Sharps Safety—Maintaining an Effective Sharps Injury Prevention Program.” Relatório Especial do ECRI Institute: Sharps Safety and Needlestick Prevention, 2nd edition (2003); esta publicação inclui as nossas avaliações de mais de 90 dispositivos de proteção, muitos dos quais ainda estão no mercado. Fontes adicionais: Bae SH, Mark B, Fried B. Use of temporary nurses and nurse and patient safety outcomes in acute care hospital units. Health Care Manage Rev 2010 Oct-Dec;35(4):333-44. Batchelor L. Toddler pricked by contaminated needles online. 2010 Oct 22 cited 2010 Oct 26. Disponível em Internet: www.cnn. com/2010/US/10/22/us.child.needles/index.html?iref=allsearch. Centers for Disease Control and Prevention/National Institute for Occupational Safety and Health. The Stop Sticks campaign: campaign user’s guide and resources. Disponível em Internet: www. cdc.gov/niosh/stopsticks/. Institute for Safe Medication Practices. Needlestick injury due to label issue with Lovenox unit dose injection online. ISMP Med Saf Alert 2010 Jul 23. Disponível em Internet: www.ismp.org/ newsletters/acutecare/articles/lovenox_alert_v5_layout_1.pdf. Jagger J, Berguer R, Phillips EK, et al. Increase in sharps injuries in surgical settings versus nonsurgical settings after passage of national needlestick legislation. J Am Coll Surg 2010 Apr;210(4):496- 502. Massachusetts Department of Public Health Occupational Health Surveillance Program. Sharps injuries among hospital workers in Massachusetts, 2009: findings from the Massachusetts Sharps Injury Surveillance System. Boston (MA): Massachusetts Department of Public Health; 2010. Também disponível em: www. mass.gov/Eeohhs2/docs/dph/occupational_health/injuries_ hospital_2009.pdf. Tosini W, Ciotti C, Goyer F, et al. Needlestick injury rates according to different types of safety engineered devices: results of a French multicenter study. Infect Control Hosp Epidemiol 2010 Apr;31(4):402-7. * Conheça os riscos restantes em sucessivas edições impressas de El Hospital, em seus equivalentes digitais ou acessando o portal da publicação em: www.elhospital.com www.ElHOSPITAl.COM pesquisa global eh0413ECRI  44 abril - maio 2013 www.elhospital.com


EH Abril - Maio 2013
To see the actual publication please follow the link above