Page 36

EH Abril - Maio 2013

cardiología Endopróteses coronárias biodegradáveis a diminuir estes fatores de risco na população. Enquanto as estratégias começam a diminuir as taxas de morbimortalidade, o tratamento do infarto agudo do miocárdio foi modificado graças aos avanços tecnológicos alcançados durante as últimas cinco décadas. Desde os princípios do século XX foram realizadas experimentações para conseguir recanalizar as artérias coronárias obstruídas, porém, só foi até 1960, quando Goetz3 realizou a primeira revascularização com sucesso. Quatro anos depois, na Rússia, Kolesov4, 5 relatou a técnica suturada, superando o ceticismo dos primeiros cenários de debate e de intervenção. Seguiram outros grupos relatando os seus resultados bem-sucedidos e, não há lugar para dúvidas que o desenvolvimento da revascularização coronária é um dos procedimentos cirúrgicos mais significativos do século XX. Grüntzig6 em 1977 publicou uma série de 50 casos tratados com angioplastia coronária transluminal, introduzindo um catéter através de uma artéria sistêmica sob anestesia local, para dilatar uma artéria estenótica mediante um balão distensível, insuflado de maneira controlada. Inclusive, nesta série já se descreveram oclusões agudas e as reestenoses informadas posteriormente Tabela 1. PrimEiras intErvEnçõEs clínicas Em cardiologia intErvEncionista Para doEnça coronária. ano intErvEncionista por outros autores; entretanto, estas situações não detiveram o avanço neste sentido. Em 1986, Sigwart7 publicou uma série de 24 implantes de endopróteses metálicas coronárias para evitar as reestenoses e as oclusões agudas, com bons resultados. Porém, foi somente até 2004 com a publicação dos resultados dos estudos BENESTENT8 e STRESS9, que começaram a usar estas endopróteses metálicas amplamente, tanto assim que em 2006 foi publicado que 90 a 95% das intervenções percutâneas coronárias implicavam o implante de uma endoprótese.10 A associação entre arteriosclerose e inflamação foi profundamente estudada e são muitos os trabalhos publicados a respeito. O fator inflamatório adquire uma nova dimensão na medida em que o implante de endopróteses metálicas produz, por si mesmo, uma resposta inflamatória que se soma à atribuída à placa de ateroma. Surgem, então, as endopróteses farmacoativas como uma forma de diminuir os processos inflamatórios e frear  See what’s insight! O meio de contraste para IRM mais usado globalmente * O gadopentetato de dimeglumina (GD-DTPA) é o primeiro meio de contraste a nível mundial para IRM e foi aprovado em 1988 como o primeiro contraste para IRM no México. * Desde então este ingrediente ativo já foi administrado mais de 95 milhões de vezes em mais de 100 países para procedimento de IRM. * O Gd-DTPA oferece um excelente perfil de segurança. A Magnegita oferece uma gama coordenada de indicações em toda a Europa para a maioria de procedimentos de imagem contrastados por IRM. A Magnegita foi aprovada para: * IRM craneal * Angio RM (com exceção das artérias coronárias) * Exploração por IRM de todo o corpo: - Cabeça e pescoço - Região torácica, incluindo pâncreas e fígado - Espaço retroperitoneal, incluindo rins - Pélvis, incluindo próstata, bexiga e útero - Sistema Músculo-Esquelético - Cardiografia: perfusão miocárdica, diagnóstico de viabilidade (País) ProcEdimEnto 1960 Goetz (Alemanha) Revascularização com anastomose não suturada de coronária-artéria mamária interna direita 1964 Kolesov (Rússia) Revascularização com anastomose suturada de coronária-artéria mamária interna esquerda 1967 Kolesov (Rússia) Revascularização com anastomose com grampo usando artéria mamária interna esquerda 1967 Favarolo11 (USA) Revascularização com anastomose com grampo usando veia safena 1968 Green (USA) Revascularização com anastomose suturada de coronária-artéria mamária interna esquerda 1977 Grüntzig (Suíça) Angioplastia 1986 Sigwart (Suíça) Stents metálicos 2001 Marx (USA) Endopróteses impregnadas com medicamentos (rapamicina) 2005 ENDEAVOR Segunda geração de endopróteses impregnadas com medicamentos CoCr 2008 ABSORB Scaffolds absorvíveis revestidas com medicamentos Entre em contato com o fornecedor: Código 17 32 abril - maio 2013 www.elhospital.com


EH Abril - Maio 2013
To see the actual publication please follow the link above