Page 12

EH Abril - Maio 2013

cirurgia Mariano Tamura Vieira Gomes * Paulo Marcelo Zimmer ** O número de cirurgias robô-assistidas realizadas em diversas especialidades aumentou de maneira substancial nos últimos 10 anos e houve uma representatividade crescente e significativa dos procedimentos ginecológicos nesse período1. A laparotomia, no entanto, continua sendo a via de acesso abdômino-pélvica mais utilizada e, por isso, essa via aberta é chamada de convencional ou tradicional2. A laparoscopia é o acesso reconhecido como minimamente invasivo da cavidade abdominal há mais de 20 anos e apresenta excelentes resultados quando bem indicada e executada, com pequenas incisões, menor dor pós-operatória, internação mais curta e retorno precoce às atividades diárias se comparada à laparotomia. Porém, o cirurgião tem que lidar com dificuldades no manuseio das pinças, que nem sempre é fácil, e habituar-se a movimentos restritos, além de trabalhar num campo cirúrgico onde lhe falta a noção precisa de profundidade, devido à visão monocular. Tais dificultadores tendem a se tornar mais relevantes na medida em que são realizados procedimentos longos, delicados, precisos e em espaços pequenos3. A cirurgia vaginal também representa uma via de acesso para diversos procedimentos ginecológicos e, dependendo da adequada seleção de casos, promove pouca dor pós-operatória, curta internação, baixos índices de complicação e rápido retorno às atividades cotidianas. Já a laparoscopia robô-assistida representa um avanço tecnológico dos procedimentos laparoscópicos, juntandose ao conhecimento, experiência e arsenal já testados pela prática vigente, um robô que oferece, dentre diversos conceitos e possibilidades adicionais, pinças cirúrgicas multiarticuladas, visão tridimensional proporcionada por um sistema óptico binocular e um manuseio amigável e intuitivo desse instrumental, permitindo procedimentos com visão ampliada e precisa das estruturas anatômicas, estabilidade total da imagem e movimentos precisos e multidirecionais, além de proporcionar mais autonomia ao cirurgião, que controla diversos instrumentos simultaneamente, e ergonomia para a equipe4. O avanço promovido por essa ferramenta permite a realização de dissecções extensas, profundas, junto a estruturas delicadas, em especial nos procedimentos complexos e, portanto, mais demorados, assim como naqueles em que há necessidade de sutura precisa, em camadas ou em ângulos difíceis, possibilitando ao cirurgião realizar essas Laparoscopia assistida por robô em Ginecologia Dentro de seu vertiginoso processo evolutivo, a cirurgia laparoscópica moderna dá um grande passo em direção ao futuro e introduz a assistência por robô, permitindo abordar cirurgias delicadas e complexas através de minúsculas incisões e com uma precisão sem precedentes. 8 abril - maio 2013 www.elhospital.com


EH Abril - Maio 2013
To see the actual publication please follow the link above